Papua New Guinea (129)Mount Hagan and Bougainville aug 2019(130)

Papua New Guinea (129)Mount Hagan and Bougainville aug 2019(130)

                                          Papua New Guinea (129)Mount Hagan and Bougainville aug 2019(1130)

                                          Papua New Guinea PNG Terra de mistérios.

                                          PNG – uma nação de tribos. 

                                          AROB Autonumous Region of Bougainville (

                  (Port Moresby,Mount Hagan, Goroka, Madang, Kokobo, Rabaul,Kieta, Arawa in AROB)

             – Papua New Guinea, oficialmente Independent State of Papua New Guinea, independente desde 1975  da Austrália , a Rainha Elisabeth é a   monarca. Antes a Austrália  e também a Alemanha dividiram  o território. População estimada em 8 milhões. Capital, Port Moresby com população estimada em 370 mil habitantes. O nome vem do Admiral Sir Fairfax Moresby, cujo filho Capitão John Moresby descobriu as ilhas em 1873. São mais de 600 ilhas que foram o país. A outra parte da maior ilha, continua sendo Indonésia.

                    – É a última fronteira da terra ainda a ser totalmente explorada. E aqui estou para vir a lugares onde poucos foram para desvendar o mistério destas terras, deste povo, destas culturas que ainda estão livres de influência do restante do mundo. 

              – É um dos países com maior diversidade cultural no mundo e também um dos mais rurais, sendo que somente cerca de 18 por cento vivem nas cidades. São mais de 800  idiomas locais conhecidos. Se acredita que existem muitos grupos que não fazem parte do censo, assim como plantas e animais não catalogadas. Considerada como economia em desenvolvimento pelo fundo monetário internacional , sendo a mineração um item forte da economia.  

              – A região  autônoma de Bougainville  de PNG, ARoB , (Autonomous Region of Boungainville) ou ainda North Solomons , com população de 240 mil habitantes, está em movimento para sua independência. A 1000 km da capital Moresby e a região mais remota da PNG. É um destino fora da rota conhecida e não é fácil chegar aqui.

                – O pássaro símbolo do país,  Bird  of Paradise, pássaro do paraíso, muito colorido, algumas das aves estão  no santuário dos pássaros em um enorme viveiro, e também  em muitas estátuas e emblemas retratando o pássaro por todo país inclusive na bandeira do país. 

                – Em  Mount Hagan, na província Western Highlands , WHP, nome que vem do Vulcão do mesmo nome que por sua vez vem do oficial Alemão Curt Von Hagen. Com cerca  de 46000 mil habitantes, aqui em Mount Hagen acontece anualmente o maior festival cultural onde as tribos de toda PNG , mais de 75 tribos, se apresentem e revivem a cultura de seus povos e também é o maior evento turístico do país. A cultura tradicional continua forte na PNG, atualmente mais ainda pois impulsiona o turismo. Este foi o meu motivo por ter feito este viagem que de Porto Alegre até Port Moresby são quatro voos, sendo o mais curto até São Paulo e depois dois voos de 12 horas, até Istambul e  Manila e mais 5 horas até Moresby. 

                 –O que chama atenção no povo, nos adultos, nos jovens, nas crianças é a alegria em ver turistas. Abanam, gritam, pedem para tirar fotos, fazem pose, cumprimentam, puxam conversa, querem ver a foto e sempre sorrindo , mesmo descalços, sem dentes, sem roupa suficiente. Um enorme contraste com outros povos, também pobres ou ricos que não tem está humanidade que percebi aqui. A felicidade deles se percebe no rosto, na alegria, no aperto de mão, no abraço  expontâneo. É claro que fazem isto mais naturalmente com os turistas que para eles são figuras raras.

                 – A infraestrutura  também é um contrate. A rede de telefonia celular está no 4g por quase todo território enquanto que as estradas estão em péssimas condições, muitas ainda estrada de chão . Cias chinesas estão executando algumas rodovias principais. Por isto todos os carros são 4×4 e a maioria com grades de ferro nos vidros, inclusive no para-brisa por causa do perigo de assalto nas estradas. Tipo cenas do filme Mad Max. 

                 – No século XXI, onde a tecnologia facilita, ajuda a tornar o cotidiano cada vez mais fácil, aqui e como em diversos lugares do planeta, esta tecnologia chega somente em partes , como a telefonia, automóveis, televisão. É a escravidão moderna. 

                     – A visita a uma vila, no interior de Mount Hagan, nas Highlands , terras altas, de aproximadamente 500 pessoas, que vivem com água corrente dos riachos, luz do dia e alguns painéis solares para luz . Fogo com lenha para comida. Plantam tudo o que comem e ainda vendem. Mantém vivo a cultura dos antepassados. Fomos recepcionadas com danças de homens guerreiros,  dança das mulheres e homens enfeitados com eleitos  de plantas, folhas de bananeira, arbustos, e pinturas no rosto e no corpo, muito coloridas. Impressionante, fantástico, diferente. 

                     – E a preparação da comida foi da forma como faziam no passado. O porco foi sacrificado na frente de todos , o fogo foi acesso com fricção de madeira e palha . O porco foi ao fogo inteiro para tirar os cabelos, depois preparado para ser enterrado em folhas de bananeira é coberto com pedras quentes pelo fogo. Após algumas horas foi retirado junto com batatas doces,bananas e outras raizes. Estilo que é comum nas ilhas da Oceania. No Hawaii em restaurantes típicos é parte do show tirar as carnes enterradas no calor. 

                        – As apresentações folclóricas das muitas tribos são a expressão da cultura mantida atualmente por comitê organizadores do ministério do Turismo, em todo país , durante o ano todo. Um dos mais populares  é em  agosto, o  Mount Hagan show, em seu sexagésimo aniversário comemorado este ano. Ao todo são 12 festivais a cada ano, pois são muitas tribos e culturas diferentes e assim mantém uma agenda o ano todo. O mais importante , o festival Hiri Moale show, na capital, em Port Moresby, em setembro, mês da   independência  Os participantes , os locais, os nativos, homens, mulheres , adolescentes, crianças são reembolsadas pelas despesas de viagem e pela participação em si, sendo uma fonte de renda alternativa. 

                                   – Descrever a apresentação, o modo de vestir, a coreografia é um desafio. É preciso ver. Fiz vários  pequenos vídeos que estão no meu canal do YouTube, uma comparação pode ser feita com o carnaval que ocorre ao redor do mundo, ou desfiles de grupos étnicos. O diferente daqui é porque é primitivo, é na Oceania, é longe de tudo, é difícil de chegar  e os materiais usados para se vestir são da natureza, de plantas, cipós, flores. Um caleidoscópio de cores, de sons, de música. 

                                  – Um hábito comum nestas ilhas do Pacífico, e especialmente em PNG, é mastigar o Betel nut, uma fruta da palmeira areca, que deixa a boca, lábios, dentes vermelhos. O efeito é similar ao tabaco, criando dependência , mas também diminui o apetite, aumenta a energia corporal , senso de bem estar e euforia. E por ser mastigado é necessário cuspir com frequência, portanto no chão, nas calçadas e nos mais diversos lugares se vê as marcas vermelhas do cuspe. Placas indicando proibição  de entrar  mastigando Betel Nut estão nos hotéis, supermercados. Fábricas, lojas.

                                      – Um país tribal , porque a sociedade ainda se rege baseado nas relações entre as tribos. A violência entre tribos ocorreu durante o festival  onde um participante foi ferido com uma flecha . Estupros são comuns e quando descobertos a família tenta recompensar a família atingida com algo de valor, e a moeda usada normalmente são porcos. 

                                     – Na Província EHP East Highland Province, na capital Goroka, onde os mercados  a céu aberto em enormes gramados, cobertos com coloridos guarda sóis chamam atenção. O museu J.K. Mc Carthy conta a história das pinturas e dos utensílios dos nativos. Uma lenda, que se originou de uma pessoa realmente existente, Nokondi, homem com um braço e uma perna, surgiu na região de Goroka e aqui eles juram que ainda existem. Lembra o mascote do Internacional de Porto Alegre , o Saci, de uma perna. A viagem de Mount Hagan até Goroka  , foi uma aventura, foram 6 horas para fazer 100 quilômetros. A estrada era realmente ruim, pedaços com asfalto, cheio de buracos, outros puro chão e tudo sem acostamento. 

                              – Na Madang Province, a cidade de Madang  é um das atrações turísticas mais popular, por suas águas límpidas, corais e beleza tropical.  Ocupada pelos germânicos, depois pela Austrália e após a WWII pelos japoneses. Aliás durante a WWII , varias ilhas foram base de lançamento de ofensivas dos japoneses. um deles é o local de partida da ofensiva contra Pearl Harbour. De Goroka à Madang, a estrada continua a pior possível. O veículo precisa andar em zigue zague. Foram 1O horas para 315 kms. Madang está no mar  Bismark, no qual dei um mergulho.

                               –Kokopo e região  na East New Britain Province, foi  ocupada  pelos Japoneses durante a segunda grande guerra e a folia a base para as operações japonesas. Em 1994 as cinzas do vulcão destruíram a cidade de  Rabaul e aí a capital foi mudada para Kokopo. O museu histórico a céu aberto exibe artilharia pesada usada na guerra. Notei que nesta cidade e província a limpeza das ruas. É proibido aqui, mastigar Betel nut na cidade e isto colabora muito coma limpeza e os hábitos das pessoas. O Rabaul Cemetery, mantém as primeiras baixas da segunda grande guerra nesta região. O navio Montevideo Ravu com  mais de 1000 pessoas sendo 850 prisioneiros , foi afundado nesta região pelos marinha americana. Sobre a guerra, que sempre se diz ter começado na invasão da Alemanha na Polônia, na realidade teve seu único em 1933 quando os japoneses invadiram a Manchuria na China e dali nunca parou. Os Nazistas e Fascistas se juntaram ao Japão para conquistar território, deu no que deu, bombas atômicas no Japão. Começou no Japão , terminou no Japão, 

                                    – Necessário registrar que o canibalismo nesta ilha terminou após a chegada dos missionários europeus  que introduziram o cristianismo, isto nos anos de 1800 em diante , que o inglês é ensinado desde o primário assim como o idioma nativo e que uma cerimônia fúnebre é realizada pela família, após alguns dias do enterro, quando a família estiver preparada para dar aos familiares, parentes, um pedaço de Shellmoney, ou seja uma corrente de pequenas conchas do mar, que servem como dinheiro local. Vi uma procissão, onde nativos com traje e máscara, maskman, se dirigiam até a residência da família. 

                                  – O bunker do famoso Admiral Isoroku Yamamoto, celebridade na época da guerra, estando logo abaixo do Imperador, está aqui em Rabaul. Ele, Yamamoto, comandou o ataque  a Pearl Harbor. A retaliação foi sua morte , quando seu avião foi abatido, após uma mensagem com seu roteiro ter sido  decifrada. 

                                 – Subi o vulcão  Tavurvur ainda ativo, que em 1994 destruiu a cidades e Rabaul. É a natureza em ação. A praia a seu redor é morna. Aguas de até 70 C , brotam do  solo da praia. Imagens e cores incríveis na cratera do vulcão  fumegante,

                                     – Finalizando está expedição,  na Região Autônoma de, (AROB) entrando pelo aeroporto em Kieta, que tem plebiscito  para se tornar independente marcado para dia 22 de novembro de 2019. Um comitê  da ONU já está aqui.  E dali , por 4 horas dirigimos até o distrito  de Siwai, no sul do território, com uma camioneta Toyota 4×4, passando por rios, arroios, onde a água vem por cima do capô, estradas que somente um 4×4 e motorista experiente podem ser usadas, para constatar o modo de vida tradicional, sem energia elétrica, sem água corrente encanada, mas com água corrente nos arroios e rios e com agricultura de subsistência em comunidade tribal. O turismo é incipiente. Aqui é o fim do fim do mundo ou o começo do começo do mundo. É aventura 4×4.

                             – Neste trajeto, havia na estrada enfeites com flores, nas pontes, em fileiras na beira da estrada flores presas em varas de taquara, em pedaços de bananeira. Motivo: falecimento de um bispo desta região, cujo corpo foi transportado por estas estradas para sua despedida. 

                               – A segunda maior mina a céu aberto era aqui. A mina de Panguna. Producao interrompida e abandonada em 1989 quando da guerra civil que matou cerca de 10 mil pessoas.  Motivo: degradação recursos naturais e insatisfação dos proprietários das terras. Uma montanha enorme que virou um enorme buraco. Minerais é a riqueza da região, que dizem ser explorada após a independência. 

                                – O presidente da Movimento da Independência, da RAoB, cuja capital é Rabu, Dr. John Momis, e uma equipe de 35 membros estão envolvidos junto com a ONU, o governo de PNG e países apoiadores para esta almejava independência. 

                                 – Visitei três vilas, Amau, Siroi, Rupumu. Apresentações de danças e músicas e bandas com instrumentos de bambu, comidas típicas, casas de bambu. Turismo sendo desenvolvido. Em uma caminhada de 2 horas pela mata, pé descalço pois eram trilhas com barro e água, visitamos os destroços do avião abatido do Admiral Yamamoto, aquele que comandou o ataque à Pearl Harbour. Aventura a pé em contato com a natureza. A  ilha POK POK, isolada, poucos habitantes, uma pousada , peixes na praia, tranquilidade e paz, ilhas de área, comida com peixe pescado na tarde, snorkeling, muito silêncio. 

                    – Conhecer, presenciar as culturas diferentes , a maneira de viver, a maneira de trabalhar e se relacionar com a natureza, evidencia cada vez mais para este explorador a diversidade do mundo e que conhecer somente sua cultura, do povo onde se nasceu ou de seus ascendentes, é ler somente poucas páginas do livro da natureza, do livro do mundo. Como metáfora, o livro com mais histórias deveria ser o seu passaporte. É da natureza do ser humano se movimentar, ir a lugares explorar e finalmente chegar onde ninguém chegou antes e ou redescobrir lugares onde exploradores já estiveram para ter a satisfação intelectual de conhecer este planeta e ultimamente conhecer a si mesmo. 

       – Por quê? Porque tudo é uma questão de atitude é porque é mais tarde do que você pensa. 

Fotos-https://drive.google.com/drive/folders/1-cGEtmEPE_4ousgMpcsE3SCmSK4o7JZ2

Vídeos- https://www.youtube.com/watch?v=RpSRyAV4N7w

e mais videos no meu canal no YOUTUBE

Marcos HANS,  

Writer, Speaker, Administrator, Personal and Executive Coach ICI Integrated Coaching Institute.

Commercial  real estate  developer and  a  Happy World Traveller 

Past Grand Secretary of Foreign Affairs- Grand Lodge of Rio Grande do Sul – Brazil

Grand Representative near Grand Lodge of India.

Past Master,33,MRA,SEM,Kt.Pr., FRC,Shriner,(Potentate 2018 Hikmat ) SRCF VII, TOM. 

See curriculum.  http://www.sejalider.com.br/?p=4243

Share

Sobre o Autor

Avatar

M.Hans administrator

Tudo é uma questão de atitude. Everything is a matter of attitude.