Tenho muitas coisas e tarefar a fazer e ao mesmo tempo não tenho nada a fazer.

Tenho muitas coisas e tarefas a fazer e ao mesmo tempo não tenha nada a fazer.-  fevereiro 2019
             – Caminhar sozinho, fazer o caminho de Compostela, subir uma montanha, fazer uma viajem , tirar férias , na maioria das vezes remete a uma reflexão sobre o atual estágio de vida, especialmente se for uma aventura solo. Se for em família, ou um casal, sempre é oportunidade de estabelecer novas metas e rever estratégias.
              – Na aventura se subir o Kilimanjaro na Tanzania, África, nos momentos de caminhada diária, durante sete dias , sem comunicação com o mundo, exceto com os guias e os outros aventureiros , muitos pensamentos vem a toda,
                 –Lembrei como era a casa onde nasci , com as divisões dos quartos, do sótão com a janela, como era a vida quando ainda estava na casa do papai e mamãe, da comida que ela fazia, dos pedaços de cana que ela cortava e colocava em um saquinho plástico para ir mastigando na viagem até a firma, como se chamava na época, para fortalecer e esbranquiçar os dentes.
                 – De repente me veio à mente: tenho muitas coisas e tarefas a fazer no meu escritório e ao mesmo não tenho nada a fazer. Se um acidente na montanha , doenças de altitude, cair em penhasco na montanha do beijo, um dos mais desafiantes para subir caminhando, ou o frio no topo me causasse um problema celebral, nada mais eu teria a fazer.
                  – Nesta viagem e nas diversas outras já percebi o pouco que se precisa em termos de roupas e comida. O conforto e beleza deixa a desejar mas no fundo se precisa pouco para viver bem. A criação de necessidades criou o consumismo e por isto cada vez mais se quer ter coisas. Nada de errado com isto, o importante é ter consciência disto.
                  – Observar o estilo de vida dos animais no Serengeti National Park e na Kgonongoro Crater , um zoológico a céu aberto me remeteu a infância quando eu tinha um viveiro de gaturitas e canários. É impressionante como tempo passa por entre os dedos e some. É impressionante como a gente só se da conta quando em viagem, pelo menos eu, e me remete a decidir o mais importante que tenho que decidir: o que fazer com o tempo que me resta. Eu já decidi, viajar pelo resto do mundo indo a lugares onde nunca fui , as vezes sozinho ou acompanhado de minha companheira, ela não gosta deste termo, pois compartilhar novos lugares juntos sempre é especial. Claro, não escalar montanhas desafiantes como o Kilimanjaro.
                  –Conhecer ou ir a muitos países, mais de cento e vinte neste momento, foi uma experiência especial. Minha primeira viagem internacional foi de Montenegro até
Tókio via Los Angeles, prêmio da Yamaha e atualmente já cruzei os céus dos sete continentes e recentemente vi as nuvens sem estar no avião, pois desde o topo da África, no Uhuro Peak, Kilimanjaro , se avista as nuvens de cima.
             – É mais tarde que você pensa. O Kilimanjaro vai permanecer e eu vou. O Kilimanjaro vai estar ali e todos nós vamos embora. A cratera Knogongoro onde um zoológico natural existe, vai continuar e eu vou embora.

              – Estava em Rwanda, à beira do lago Kivu, tomando cerveja local, quando soube da noticia do acidente envolvendo o Jornalista Ricardo Boechat. Ele certamente tinha uma lista enorme de coisas a fazer e de repente não tinha mais nada a fazer.
               – Enquanto isto, os melhores momentos de minha vida continuarei fazer acontecer, indo a lugares onde nunca fui ou ficando em lugares onde sempre estive, do lado das pessoas que sempre estiveram junto ou ao meu lado.

Marcos Hans
Writer, Speaker, Administrator, Personal and Executive Coach ICI Integrated Coaching Institute.
Commercial real estate developer and a Happy World Traveller
Past Grand Secretary of Foreign Affairs- Grand Lodge of Rio Grande do Sul – Brazil
Grand Representative near Grand Lodge of India.
Past Master,33,MRA,SEM,Kt.Pr., FRC,Shriner, SRCF VII, TOM.
See curriculum. http://www.sejalider.com.br/?p=4243

Share